sábado, 23 de julho de 2011

Pesquisa na Internet

A Internet é uma fonte de avanços e de problemas. Podemos encontrar o que buscamos, e também o que não desejamos. A facilidade traz também a multiplicidade de fontes diferentes, de graus de confiabilidade diferentes, de visões de mundo contraditórias. É difícil selecionar, avaliar e contextualizar tudo o que acessamos.

A facilidade em postar mensagens na Internet é também uma das maiores fragilidades. Um texto que estava disponível ontem pode não o estar hoje. Uma página web que tinha um formato, pode aparecer no dia seguinte com outro ou com outro conteúdo. Por isso as normas bibliográficas exigem que se coloque a última data de acesso a Internet nas referências.

Num livro de texto a dificuldade de revisar as referências da WEB é muito maior. E quando um site ou endereço muda é quase impossível comunicá-lo rapidamente aos leitores, a não ser pela própria Web ou aguardar uma nova reimpressão. Convém avisar os leitores da edição impressa que podem existir endereços web com erros, pela alta volatilidade das informações digitais. Também é importante manter uma página digital com atualizações e correções, para diminuir os problemas ocasionados pelas súbitas mudanças nas páginas da Internet. Faltam-nos campanhas educativas que esclareçam a população da fragilidade da Internet, dos problemas que podem acontecer e das inconsistências mais recorrentes.

Aproveitaremos melhor o potencial da Internet, se equilibramos a rapidez e multiplicidade da informação com o necessário tempo de análise, de decantação, de reflexão. Se focarmos menos quantidade e mais qualidade da observação, da percepção, da comunicação. Se combinarmos a função de “radar” - que mapeia e descobre - com o de “focar” - que aprofunda e ilumina.

Os professores podem ajudar os alunos incentivando-os a saber perguntar, a enfocar questões importantes, a ter critérios na escolha de sites, de avaliação de páginas, a comparar textos com visões diferentes. Os professores podem focar mais a pesquisa do que dar respostas prontas. Podem propor temas interessantes e caminhar dos níveis mais simples de investigação para os mais complexos; das páginas mais coloridas e estimulantes para as mais abstratas; dos vídeos e narrativas impactantes para os contextos mais abrangentes e assim ajudar a desenvolver um pensamento arborescente, com rupturas sucessivas e uma reorganização semântica contínua.

É importante que alunos e professores levantem as principais questões relacionadas com a pesquisa: Qual é o objetivo da pesquisa e o nível de profundidade da pesquisa desejado? Quais são as “fontes confiáveis” para obter as informações? Como apresentar as informações pesquisadas e indicar as fontes de pesquisa nas referências bibliográficas? Como avaliar se a pesquisa foi realmente feita ou apenas copiada?

Uma das formas de analisar a credibilidade do conteúdo da sua pesquisa é verificar se ele está dentro de um portal educacional, no endereço de uma universidade, revista especializada ou em qualquer outro espaço acadêmico reconhecido. Também é importante verificar de quem é a autoria do artigo ou da reportagem ou a credibilidade do veículo de divulgação.

Pensando mais nos usuários jovens e adultos, Nilsen e Morkes propõem algumas características que uma página da WEB precisa apresentar para ser efetivamente lida e pesquisada:

- palavras-chave realçadas (links de hipertexto, tipo de fonte e cor funcionam como realce);

- sub-títulos pertinentes (e não "engraçadinhos");

- listas indexadas;

- uma informação por parágrafo (os usuários provavelmente pularão informações adicionais, caso não sejam atraídos pelas palavras iniciais de um parágrafo);

- estilo de pirâmide invertida, que principia pela conclusão;

- metade do número de palavras (ou menos) do que um texto convencional.

A credibilidade é importante para os usuários da WEB, porque nem sempre se sabe quem está por trás das informações nem se a página pode ser digna de confiança. Pode-se aumentar a credibilidade através de gráficos de alta qualidade, de um texto correto e de links de hipertexto apropriados. É importante colocar links que conduzam a outros sites, que comprovem que há pesquisa por trás e que dêem sustentação para que os leitores possam checar as informações dadas.

65 comentários:

Professora Karina Meier disse...

Prof. Moran,
Muito interessante e pertinente este comentário de hoje. Acho uma tarefa árdua ensinar nossos alunos a tomar os devidos cuidados nas pesquisas feitas na internet, para trabalhos acadêmicos. Sinto que a maioria ainda não pesquisa realmente e simplesmente utiliza as primeiras páginas que aparecem no site de busca. Pior ainda, quando nem citam a fonte! Todo semestre enfatizo os cuidados que devem ser tomados, mas nem sempre funciona!!! Um abraço,

Mauricio Pugas disse...

Prezado Prof Moran

Estou fazendo o curso de Metodologias e Gestão para EaD e concordo plenamente com seus comentários sobre a Pesquisa na Internet. Realmente na rede (www)encontramos coisa boas e ruins, basta que saibamos selecionar o que queremos e utilizarmos fontes confiáveis. A ferramenta é extremamente útil e necessária nos dias de hoje.
Parabéns pela sua colocação.

Mauricio Pugas

macroeconomiaarrf disse...

Professor a Internet é uma ferramenta fantástica, que se bem usada e direcionada, é somente benefícios.
Existem duas faces, coisas boas e coisas infinitamentes ruins, cabe a cada um com bom senso, escolher o melhor. Oriento sempre aos acadêmicos a importância da citação, data e hora da consulta de determinado site, Muito pertinente o post sobre a pesquisa. Abraços!

Educação a Distância disse...

Prof. Moran,
Suas palavras são pertinentes dentro do contexto que vivemos hoje: de muitas informações e tecnologias. Neste sentido, o professor deve atuar como orientador e facilitador no processo educativo, mostrando e guiando os alunos na busca de informações fidedignas e confiáveis na rede.
Sou profressora há 9 anos e percebo a mudança do nosso papel a cada dia.
Também estou cursando pós-graduação de Met. de EAD.
Abraço, Prof. Debora Rondinelli.

Sandra Paula Jimenez disse...

Prof Moran,

Um texto muito interessante parabéns, hoje devemos ter cuido com os sites que acessamos, a internet é uma ferramente maravilhosa onde já não conseguimos viver mais sem ela, mas ao mesmo tempo devemos estar sempre a tentos e verificando os sites que realmete são confiaveis.

Simone Rocha Pereira disse...

Prof.Moran

Sou professora tutora e apliquei um dos ensinamentos da primeira aula do curso de metodologia e gestão EAD, um colega de tutoria reclamou do aluno EAD que quer reposta pronta e lembrei do que tinha aprendi na aula e hoje por coincidência uma aluna questionou me sobre credibilidade e o uso da internet como fonte e referências e o seu texto só validou o que orientei a aluna.
Acredito que essa oportunidade será um grande diferencial aqueles que queiram levar à sério!!.
Um abraço
Prof.Simone Rocha Pereira

Angelica Sigarini disse...

Professor Moran,
A temática foi bastante discutida durante um módulos que tive na pós-graduação em Linguagem Jornalística que estou finalizando este ano. A exemplo do lado ruim foi o descrédito do Wikipédia que seria um ótimo objeto de estudo. Acredito que a internet, em grande parte, não tem sido aproveitada completamente como fonte de pesquisa, e sim como ferramenta de CtrlC/CtrlV, sendo essa uma das preocupações de professores hoje em dia. Por outro lado, a internet é a mídia do século e se bem utilizada é capaz de abrir vários caminhos.

prof. psico. Flávia disse...

Boa noite, professor. Com muita propriedade, o senhor pode salientar a riqueza deste recurso.Beijos

Daniel Domingos disse...

Olá Professor Moran,

Infelizmente a Internet, assim como a maioria das tecnologias da informação, têm seus pontos fracos. Concordo que a confiabilidade da informação é algo importante em uma pesquisa. Assim, cabe a nós educadores orientarmos nossos alunos sobre as fontes confiáveis para as pesquisas na Web. Sabe-se que existem várias bibliotecas digitais nos portais e sites de universidades, faculdades, organizações, entre outros que oferecem documentos com uma valiosa fonte de informações e são confiáveis. Porém, a maioria dos nossos alunos não conhece esses repositórios de informações e, por vezes, realizam a pesquisa bibliográfica em fontes não confiáveis.

Ana Cris disse...

Olá professor Moran, de fato diante do imenso universo virtual que a internet nos oferece para pesquisa precisamos ter discernimento e bom senso para inferir diante das informações apresentadas, porém, creio que infelizmente muitos educadores/professores no Brasil ainda tem receio e limitações quanto ao uso dos recursos tecnológicos e conseqüentemente da internet e domínio técnico e intelectual suficiente para atuar com naturalidade, agilidade e aptidão para orientar os seus alunos.
Consiste, assim, o risco em permitir que os alunos sigam com uma compreensão equivocada quanto ao uso da internet convertendo o uso em uma construção errônea.
Ana Cristina / PREMIER – aluna pós-graduação Metodologia e Gestão EAD

Ana Cris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiane Defalque disse...

A internet é um meio tecnológico que nos fornece uma grande concentração de material de pesquisa importante para enriquecer o conhecimento. No entanto, muitos alunos não conseguem utilizá-la de maneira correta para este fim. Nós professores nos deparamos com trabalhos-cópias de páginas da internet sem referências. Ensinar os alunos a utilizar a internet como ferramenta de pesquisa não é uma tarefa fácil, mas é necessário que o professor aja como orientador desse processo, pois a internet quando bem utilizada, funciona como um grande auxilio de pesquisa no processo de ensino-aprendizagem.

Profª Ann M. Rizzo disse...

Caros:
Lendo os textos e respectivos comentários, cristalizo algumas reflexões que me acompanham há muito:
- Será necessário tanta resistência e dor diante de propostas de novos modelos (sejam eles de vida, de valores sociais/religiosos/educacionais)?
- Serão estas resistências decorrentes da sensação de falta de acolhimento diante do novo?
- Qual é o grau de nossa sensibilidade, que nos deixa vulneráveis se não percebermos uma relação humanizada?
Acredito na necessidade de sólido treinamento técnico dos tutores, com ênfase na valorização da humanização dos cursos EaD.

Profª Fernanda Frattini disse...

Prof.Moran,
Seu texto é um importante alerta aos usuários, principalmente aos estudantes.O Professor pode ser um "curador" do conteúdo a ser pesquisado como disse o Prof.João Mattar, mas o cuidado ao pesquisar, o aluno deve ter por hábito.Indicarei seu blog aos meus alunos!Abraços

Sabrina disse...

Gostaria de discutir aqui algumas opiniões sobre a metodologia de ensino da pós Metodologias na EAD, a qual esto uparticipando. Para mim, se fosse de uma outra forma, dificilmente eu poderia fazê-la, mas tenho medo quanto a onde vamos chegar com a nossa educação à distância. Vemos uma forma rápida e eficaz, onde esta a nossa disposição na net, todas as ferramentas para interagir com tutores, colegas, ....chats, etc...., biblioteca virtual, material para pesquisa e uma infinidade de coisas que sei lá se a gente vai conseguir usar todos os recursos...rsrsrs. Bem, eu acho tudo isso muito proveitoso, porém me preocupa o fato de estarmos contribuindo para uma sociedade cada vez mais separada, individualista onde cada indivíduo vive em uma ilha fechada, em frente a um micro, not ou net book, ou sei lá o que...Fico me perguntando se não estamos nos distanciando da forma de discipulado, onde o professor, mestre, tutor, sei lá como querem chama-lo, não tentava transmitir somente o conhecimento técnico ao aluno, e sim uma vivência, olhava o semblante via as dificuldades etc... Onde o bate papo dos intervalos de aulas, as gargalhadas, as piadas, a ida na lanchonete, o desabafo com os colegas quanto..."vamos sair depois da aula?"....bem...sei lá. A sociedade hoje esta cada vez mais nervosa, egoista....e se falando em saúde mental, será que tudo isso não contribui para também ficarmos assim, presos em uma tela? Olha....nada contra as ferramentas virtuais, só estou desabafando uma coisa que me preocupa...

Bernardo De Filippis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Pesquisa na Educação a Distância disse...

Prezado Prof. Moran,
Sou Bibliotecária e estou fazendo o curso de Metodologia e Gestão na EAD.Esse post chamou-me a atenção por ser um assunto que lido diariamente, o fato é que nossos alunos não sabem pesquisar, não adquiriram essa cultura da curiosidade e anseio por desenvolver-se como pessoa e profissionalmente, o objetivo é somente "passar de ano" e em oposição a isso a pesquisa busca a criatividade.
Abraços!

Luciane Bustos

Diego Teixeira Dias disse...

Prof. Moran,

Concordo plenamente com a seleção e analise de fonte vindas da internet, muitas vezes nos deparamos com materiais incompletos e até mesmo imprecisos. Fui aluno de graduação na modalidade EAD, e como tal realizei muitas pesquisas na rede, existe a questão do copiar e colar, e como ex aluno EAD, aconselho a ler e reunir informações, fechar as páginas de pesquisas, para daí em diante desenvolver seu próprio raciocínio. E como vários colegas que aqui comentaram, tambem faço parte da Pós Graduação em Metodologias e Gestão para EAD!! Abraços

Fatima Rubira disse...

Caro Professor Dr. Moran,

Seus textos já me ajudaram muito a entender a EaD.
Hoje sou aluna do Curso de Metodologias e Gestão em Educação a Distância e com certeza vamos recorrer ao blog para subsisiar nossas pesquisas. Este texto, em especial, é muito oportuno, para alunos e para todos nós que trabalhamos com a educação a distância.
Grande Abraço e obrigada.
Maria de Fátima Rubira

Fatima Rubira disse...

Caro Professor Dr. Moran,

Seus textos já me ajudaram muito a entender a EaD.
Hoje sou aluna do Curso de Metodologias e Gestão em Educação a Distância e com certeza vamos recorrer ao blog para subsisiar nossas pesquisas. Este texto, em especial, é muito oportuno, para alunos e para todos nós que trabalhamos com a educação a distância.
Grande Abraço e obrigada.
Fátima Rubira

Debora Haberland disse...

Realmente Prof
temos uma tarefa árdua em ensinar os alunos a diferença de facilidade e qualidade.
Mesmo qu a internet coopere com a facilidade de busca a leitura e interpretação ainda é a chave para uma pesquisa bem feita...
Abraço
Débora Haberland

Bernardo De Filippis disse...

Caro Prof. Moran e Colegas,

Muito bom o assunto e boas observações dos colegas, realmente devemos cada vez mais mostrar que o ctrl C/ctrl V, como já mencionado não leva a lugar nenhum, leva sim, a enganação de sí próprio.

Como disse Alvin Toffler:

"Os analfabetos do século XXI não serão os que não sabem ler ou escrever, mas os que não sabem aprender, desaprender e reaprender.”

Bernardo De Filippis

Prof Paulo disse...

Prof Moran e colegas , gostaria de colocar um item para pensarmos , se a internet é uma fatastica ferramenta e facilita demais a geração Ctrl C e Ctrl V , onde o conteúdo nem sempre é proveitoso. O aluno quando chega ao EAD acaba sentindo dificuldades no desenvolvimento das atividades , isso seria por uma deficiencia do Professor atual que esta preso a paradigmas ou um erro de percepção do aluno que não percebe que o ensino mudou ?

Adriana Cristina Barbosa Pires disse...

Prezado Professor Moran,
Acredita-se que a internet sendo bem utilizado é uma ferramenta importante para pesquisas, tanto para os educandos quanto para os educadores. No entanto, nota-se que ambos muitas vezes não sabem utilizar este recurso. Onde, por um lado tem o educando na maioria das vezes usa para outros fins, enquanto que alguns educadores que dize: ”os alunos só sabem fazer Ctrl C e Ctrl V”. È sabido que cabe ao educador orientá-los e criar situações onde não bastará dar o comando citado acima. È lógico que não precisar fazer por ele , mas acredito que é preciso estender as mãos para eles, e dizer “ vamos lá eu te ensino.Sei que não será fácil e também sei que muitos educadores estendem as mãos , porém é preciso tentar, tentar tentar.....

Liliana EaD disse...

Prof. Moram
Seus posts contribuiem bastante para a reflexão do ensino a distancia, sou estudante EaD, e tambem tive muita dificuldade no inicio de como usar as ferramentas necessarias para o aprendizado, mas como todo aprendiz, estou sempre buscando informações com pesquisas na internet.
Parabens e Obrigada!
Liliana Landgraf

Prof Terezinha Fernades disse...

Prof. Moran,
na atualidade, nós professores, enfrentamos os problemas com pesquisas na internet realizada por nossos alunos. Para ele pesquisar significa ctrl+c e ctrl+v. Ensiná-los a pesquisar, selecionar, ler e refletir sobre a leitura para só depois produzir não é tarefa fácil. O que torna difícil e a falta de uma disciplina de informática para uso das ferramentas necessárias para a aprender a usá-las.
Abç
Terezinha

Professor Milton Gonçalves disse...

Prof. Moran,

O Tema Pesquisa na Internet, deve ser realmente muito discutido, pois os jovens estão banalizando esta importante ferramenta.
Acredito que uma inserção no ensino fundamental de disciplinas que levem os jovens a conhecer esta importante ferramente desde cedo e com responsabilidade, talvez no futuro possamos encontrar alunos com maior responsabilidade e não aquele aluno "CTRL C CTRL V".

Prof. Milton Gonçalves
Anhanguera Eduicacional - FAC IV

Professor Milton Gonçalves disse...

Prof. Moran,

O Tema Pesquisa na Internet, deve ser realmente muito discutido, pois os jovens estão banalizando esta importante ferramenta.
Acredito que uma inserção no ensino fundamental de disciplinas que levem os jovens a conhecer esta importante ferramente desde cedo e com responsabilidade, talvez no futuro possamos encontrar alunos com maior responsabilidade e não aquele aluno "CTRL C CTRL V".

Prof. Milton Gonçalves
Anhanguera Eduicacional - FAC IV

Debora Haberland disse...

http://trocadeideiaseducacao.blogspot.com

Luciana Ribeiro disse...

Olá Professor Moran,
Pelo que vejo, os alunos sentem bastante dificuldade em pesquisar na internet, pois em nenhum momento de sua vida escolar, apredem formalmente como pesquisar. Eu mesma fui ter uma aula na Pós Graduação de como pesquisar na Internet. É importante começar a pensar nisso... Um abraço, Profª. Luciana Ribeiro

LUIS HENRIQUE VACARO disse...

Prof. Moran,

Estou iniciando o curso de Metodologias e Gestão para EAD, pela AESA /RONDONOPOLIS-MT. Realmente, o uso da internet ainda é pequeno, pois muitas vezes não se sabe identificar o que é realmente proveitoso, já que há que se constatar se as fontes são confiáveis. Muito esclarecedor o seu artigo, o que me auxiliará para a proposição de atividades para os meus alunos. Obrigado e até breve.

Nilda das Merces da Costa Alves disse...

Professor Moran, concordo que a Pesquisa na Internet deve ser orientada pelos professores e outros com poderes para isso, evitando tal fragilidade da Internet, levando o aluno a interar-se a compreensão atrelado a certa competência.

Mirian Peres Rissi disse...

Profº Moran,
Ao realizar a leitura desse comentário consegui constatar a dimensão no que se refere aos aspectos positivos e negativos, que para tanto não havia organizado total desafio para instruir alunos e filhos para a informação seguida dessa orientação para possa utilizar essa ferramenta de forma adequada, buscando fontes seguras, pesquisa em vários sites e uma sinteses dos conteúdos pesquisados e não cópias dos mesmos. Será uma tarefa árdua a conscientização dos jovem quanto esse aspécto, porém não impossível.

Profª. Luciana Krebs disse...

Caro Prof. Moran
Como orientadora de trabalhos de conclusão de curso verifico a dificuldade de muitos alunos em utilizar outras fontes de pesquisa senão a internet. Essa ferramenta realmente nos apresenta muitas informações, porém se não fizermos o uso adequado destas perdemos grande parte do seu potencial. Acredito que somente com o trabalho contínuo junto aos alunos, mostrando as formas corretas para a pesquisa e as características de um trabalho científico é que conseguiremos que a internet seja usada de forma correta e eficiente para o ambiente acadêmico. Um abraço

Tatieini Araújo disse...

Profº. Moran,
Concordo com seus comentários, acredito que as pesquisas pela internet já são mais usadas pelos pelos alunos do que as pesquisas em bibliotecas.Importe que até mesmo nós educadores tenhamos discernimento quando fazermos uma busca.

Juliana Rossi disse...

Prof. Moran,

Muito bom o tema do seu comentário. Enfatizando a importância do professor na orientação de seus alunos, até mesmo para as ferramentas tecnológicas.
Realmente há muito o que selecionar na internet. Cabe a cada um ser mais crítico e apurar as informações.
Abraços,
Juliana.

Criscuper disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Criscuper disse...

Caro prof. Moran,

O seu texto me remeteu à notícia sobre um estudo que concluiu que o site Google prejudica a memória das pessoasmas melhora sua capacidade de encontrar informações.
A pesquisadora Betsy Sparrow da Universidade Columbia nos Estados Unidos e uma das autoras do estudo, argumenta que isso não significa necessariamente que estamos nos “tornando menos inteligentes”, porém, mais “sofisticados” na tarefa de selecionar informações.

Para quem tiver interesse, o título em português do trabalho é "Os efeitos do Google na memória: as consequências cognitivas de ter a informação na ponta dos dedos". Ele foi baseado em quatro experimentos realizados por três pesquisadores. E um deles, 60 alunos da Universidade Harvard tiveram que digitar 40 sentenças com informações triviais e depois escolher quais deveriam ser salvas. O estudo concluiu que havia relação entre a falta de memória de certos estudantes e sua inclinação em salvar um número maior de frases.
Quando sabem que a informação pode ser facilmente acessada, as pessoas se esquecem dela com mais facilidade.

Débora Aceti disse...

Prof. Moran,

A linguagem escrita virtual deve ser adequada a realidade do aluno. Textos longo, em que o pensamento era construído através de uma discussão longa e ampla, não cabe mais na EAD (ou pelos menos nã deveria). A maioria dos que recorrem a EAD para obter informação, possuem restrições de tempo, e necessitam absorver o máximo de informação e conteudo em menor tempo. Desta forma os textos devem ser suscintos, rápidos e breves..

Débora Aceti disse...

Prof. Moran,

A linguagem escrita virtual deve ser adequada a realidade do aluno. Textos longo, em que o pensamento era construído através de uma discussão longa e ampla, não cabe mais na EAD (ou pelos menos nã deveria). A maioria dos que recorrem a EAD para obter informação, possuem restrições de tempo, e necessitam absorver o máximo de informação e conteudo em menor tempo. Desta forma os textos devem ser suscintos, rápidos e breves..

Fabio Venegas disse...

Prof Moran,

concordo plenamente que o professor tem responsabilidade em ensinar os alunos a focar em questões importantes e na escolha de sites, é fundamental o incentivo da pesquisa e não das respostas prontas

Gisela disse...

Prof Moran,
Estou encantada com seu profundo conhecimento sobre EAD, sua competência ao tratar as questões de inserção das tecnologias não somente no uso acadêmico, mas em nossa vida como pessoas atuantes na sociedade. O compromisso de alertar nossos alunos sobre o discernimento nos caminhos que a internet nos coloca. As possibilidade são muitas, mas os riscos também. Parabéns.

EAD - QUEM APREENDE DISSEMINA! disse...

Prof.Moran,
Estou fazendo duas especializações no metodo EaD, e já consigo concluir que: A eficácia desta modalidade inovadora dependera de duas coisas: Do compromisso da instituição em oferecer conteúdos ricos que possam agragar valores e conhecimentos aos alunos, e instrutores realmente capacitados,especializados e com experiencia no conteúdo que irão abordar virtualmente; e também o compromisso do aluno que aderir a essa sistemática do formato EaD; levando a sério os estudos e pesquisas; se comprometendo com os seus objetivos propostos.
Dessa forma esse relacionamento ainda que virtual terá plenas condições de ser eficaz para ambos. Senão; será disperdicio de recursos.

EAD - QUEM APREENDE DISSEMINA! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
EAD Gisele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
EAD Gisele disse...

O tema proposto é de extrema importância, uma vez que a internet tem se tornado uma das principais fontes de informações nos dias atuais, no entanto nem tudo o que está disponível é confiável, acredito que o dever de todo profissional relacionado à educação é orientar seus educandos com relação a isso, e na medida do possível direcioná-los com dicas e filtros sobre sites que apresentam certa credibilidade. Abraço e até breve!

Projeto Girassol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Projeto Girassol disse...

Uma modalidade não tradicional, típica da era industrial e tecnológica, cobrindo distintas formas de ensino-aprendizagem, dispondo de métodos, técnicas
e recursos, postos à disposição da sociedade.

Profa. Rosemeire Farias disse...

Prof. Moran

Muito bom o texto e suas considerações. É interessante como a internet falicita a vida do pesquisador. É uma importante ferramenta que pode auxiliar o professor no seu fazer pedagógico, mas infelizmente ainda temos em nosso meio profissionais que resistem à modernidade e tecnologia, e não procuram aprender a lidar com o computador. Adotam o seguinte discurso: "Já estou aposentando, então não tenho necessidade de levar essa ferramenta para sala de aula, meu conhecimento basta".

lucineirizzo.criarumblog.com disse...

Professor Moran,
A internet hoje é a maior biblioteca que temos em casa, a nossa disposição todo o conhecimento científico sem fronteiras. Sobretudo é importante, esse alerta que o senhor faz quanto a seleção que devemos fazer com o material que buscamos na rede, bem como nossa responsabilidade ao utilizá-lo para fins acadêmicos. Abraços

Rodrigo Alves Rizzo disse...

Olá Professor Moran,

Atualmente, os alunos não sentem dificuldades em pesquisar na internet, apesar de não passarem por ensino formalizado em nenhum momento de sua vida escolar, aprenderam informalmente como pesquisar. O grande problema gerado é da qualidade e fonte deste material. Esta nova geração está revolucionando o meio da Educação e a prova disto é o Ensino a Distância. É interessante pensar em mídias para orientar esta nova geração de alunos. Ótimo texto.

Att,

Prof. TTEAD Rodrigo Alves Rizzo.

Síndrome de Turner: uma aberração cromossômca disse...

É de extrema importância que os alunos tenham consciência do tão famigerado plágio. Que este ato é crime e que pode acometer em meses de prisão. Porém, para a realização e confecção de um trabalho em uma velocidade rápida e sem muito esforço, eles apelam logo para os sites mais conhecidos e copiam sem ao menos ler o que estava escrito. Ler e etender? Nõ precis, o professor não vai ler o trabalho inteiro mesmo! É assim que eles pensam... E esta é a realidade do ensino superior, o que torna esse quadro ainda mais desanimador.

Antônio (Vô) disse...

Como em todo processo de comunicação envolvendo um elevado numero de informações a todos os niveis de usuarios de tecnologias voltadas para EAD, vamos encontrar infinidades de opções de pesquisas, e é ai que devemos saber escolher aquelas mais vai atender nossas necessidades de informações confiáveis. Excelente Texto.

Valquiria Tavares disse...

dcss

Valquiria Tavares disse...

Prof. Moran parabéns pelo texto que nos permite uma análise do uso da pesquisa na internet. Neste sentido, ao utilizarmos esta ferramenta, podemos ter nossos problemas solucionados ou não, depende muito dos filtros que usaremos para buscar informações sobre determinados assuntos. A internet veio para tornar mais ágil a troca de informações, mudar o conceito de distância, aprimorar a comunicação, o que necessitamos é que seu uso seja racional, sendo que as experiências do uso contribuem para o aprimoramento da ferramenta e também maturidade dos usuários.

rosalina disse...

Olá professor Moran
Realmente a internet e uma fonte de avanços e de grandes problemas.
É importante que alunos e professores pesquisem fontes confiáveis, porque a internet e um universo de descobertas de pessoas acontecimentos.
Rosalina Rodrigues 5º período pedagogia FCJP
João Pinheiro _MG

Juliana Rodrigues disse...

Olá
Professor Moran!


Nem tudo que encontramos na Internet nos favorece em algo, devemos saber os caminhos certos há seguir na Internet. Por ser muito fácil o acesso encontramos o que queremos e o que não queremos, devemos estar atentos aos males que a Internet nos traz. Nem tudo que se ver em um dia pode estar lá no outro dia. O professor pode incentivar o aluno a pesquisar, assim terá perguntas, pois muitas descobertas poderão ser analisadas. O conteúdo pesquisado sempre deve ser analisado.

Juliana Rodrigues

Cursando 5º Período de Pedagogia – FCJP - MG

Elemiria disse...

Prof. Moran,
É bem verdade que a internet veio facilitar nossa vida, porem devemos estar atentos e investigar, pois nem todos sites são confiáveis. Neste texto o senhor nos alerta na procura de sites seguros e na seleção de material para nossa formação.
Elemiria Tavares
5º P Pedagogia
FCJP _João Pinheiro - MG

Josiele disse...

Professor Moran:
Sabemos que existem vários fontes de pesquisa, mas é necessário ensinar aos alunos a pesquisar em sites que passam credibilidade, observando alguns itens que serão necessários para os objetivos propostos serem alcançados.
Josiele C. Leles Pedagogia 5º Período Faculdade Cidade de João Pinheiro

Leidiane Dornelas disse...

É bem verdade que hoje mais do que ontem precisa-se de maior cuidado em relação ao que se vê e acha na internet, portanto, cabe á consciência de cada um em relação ao que é e o que não é positivo e bem vindo para o nosso crescimento. Contudo, cabe também aos educadores conscientizar os educando como se proteger e também realizar uma pesquisa segura e verdadeira, pois hoje é realmente indispensável o uso da mesma, para nos auxiliar em nossos trabalhos e até para o nosso dia a dia.

QUELIANE ANJOS disse...

Olá professor Moran, a internet nos apresenta muitas informações, porém se não fizermos o uso adequado destas, perdemos grande parte do seu potencial. Em relação ao professor ele deve orientar os alunos o professor tem que ensinar os alunos a focar em questões importantes. É importante que o professor incentive a pesquisa e não a resposta pronta deve lembrar que as possibilidades são muitas mais os riscos também, nem tudo que encontramos na internet nos favorece devemos saber o caminho certo a seguir.
Acadêmica: Queliane, 5º período de Pedagogia da FCJP.

Adel B. Gonzaga disse...

As possibilidades de interagir com a internet são infinitas, mas nada nos garante qualidade e segurança. Mesmo os textos assinados podem não ser originais, mas isso deve ser o mínimo e que não nos impede de explorar outras fontes.

Leandro Alves Soares disse...

Como é bom perceber a versatilidade de recursos como a internet. sabendo acessar tais mecanismos podemos fazer nosso trabalho evoluir e render mais....

Márcio Alex Ribeiro da Silva Barbosa disse...

Concordo que faltam campanhas de eclarecimento a população quanto a fragilidade da internet, e é exatamente aí que entramos, precisamos orientar nossos alunos a identificar e selecionar o que realmente faz a diferença no conteúdo de determinada pesquisa, e focar apanas o que tem licitude.
Márcio - ceja - Quissamã.

Erika Emrich disse...

Prof. Moran,

Sou Professora no CEJA-Ilha do Governador e tomei conhecimento dos seus textos, pois constam como leitura do Curso de Capacitação na Plataforma MOODLE.
Suas colocações muito bem fundamentadas,tornam muito rica a reflexão sobre a utilização das pesquisas na internet e o uso das Tecnologias Educacionais na EAD.
Concordo com suas colocações e acredito que temos, ainda, um longo caminho a percorrer para que consigamos fazer o uso mais consciente, ético e proveitoso dessas ferramentas de acesso às informações, seja no papel de professores, seja como alunos!
Um abraço,
Erika Lopes Emrich Portilho/ Professora Docente II e Facilitadora e EAD no CEJA-Ilha